Pentecostalismo e Reforma Protestante

por Valmir Nascimento A Reforma Protestante é, inegavelmente, um dos eventos mais marcantes da história do Cristianismo. Enquanto o nascimento de Jesus assinalou a divisão do tempo antes e depois dEle, o movimento reformista do Século XVI cindiu não somente a cristandade medieval – em católicos e protestantes, mas também a história da religião cristã. ... Continuar Lendo →

Pentecostalismo e esfera pública

por Valmir Nascimento Jesus concluiu a metáfora do sal e da luz em Mateus 5.13-15 enfatizando o propósito final do testemunho relevante dos discípulos diante dos homens: “ (...) para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus”. Resta evidente que a dupla simbologia empregada pelo Mestre diz... Continuar Lendo →

Pentecostalismo e política

Há, ainda, pouca produção da teologia pentecostal aplicada à teologia política. Amos Yong, que talvez seja um dos poucos teólogos pentecostais a investigar essa área com profundidade, em seu livro In the Days of the Caezar: Pentecostalism and Political Theology reconhece que poucos teólogos pentecostais têm buscado desenvolver uma teologia política a partir da metodologia e hermenêutica pentecostal, especialmente em razão da tradição oral do pentecostalismo e a sua recente chegada ao meio acadêmico.

Tais fatores, aliados ao pluralismo do pentecostalismo global, segundo Yong, dificultam articular uma auto-compreensão eclesial da identidade e da metodologia da teologia pentecostal . Não obstante, segundo Amos Yong, embora se suponha que o pentecostalismo seja uma teologia baseada na experiência, espiritualidade ou piedade, é possível se extrair dela implicações normativas para a fé cristã em praça pública . Ele afirma que uma reflexão teológica distintamente pentecostal não é apenas uma atividade paroquial, “mas tem potencial construtivo para iluminar a crença e a prática cristã no século XXI”.

Cristianismo pentecostal

"Na essência, o movimento pentecostal não está centrado no Espírito, mas em Cristo. A obra do Espírito, como pentecostais a entendem, centraliza-se em exaltar e testemunhar o senhorio de Cristo. Os pentecostais ecoam a mensagem apostólica: Jesus é o Senhor. Jesus é quem batiza no Espírito. Observemos também que a fé e a prática pentecostal emanam da Bíblia. É frequente retratarem os pentecostais como extremamente emocionais e experiencialmente conduzidos, mas essa é caricatura da imagem real. Na realidade, os pentecostais são o “povo da Bíblia”. Embora os pentecostais incentivem a experiência espiritual, fazem-no com um olho atento às Escrituras. Como já observei, a Bíblia, e particularmente o livro de Atos, fomenta e molda a experiência pentecostal."

Teologia Pentecostal na Praça Pública: Desafios e Diretrizes para uma interface com a esfera política

O presente artigo analisa o crescimento e a característica heterogênea da religião evangélica no Brasil, destacando, especialmente, a hegemonia das igrejas pentecostais, desencadeada na América Latina em tempos recentes. Enfatiza as ondas do pentecostalismo e a chamada “neopentecostalização”, assim como a chegada desses novos atores sociais na praça pública, principalmente na esfera política, passando a influenciar as disputas eleitorais. Diante desse quadro, reconhecida a legitimidade da participação política das igrejas evangélicas, discute-se sobre o desenvolvimento de uma teologia pentecostal que forneça embasamento para uma interface coerente com a esfera político-eleitoral, propondo, ao final, diretrizes para uma teologia política de matriz pentecostal, de onde deve ressair uma ética religiosa que seja capaz de interagir adequadamente coma esfera pública.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑