Criacionismo pela lógica ou evolução pela fé?


Hoje, pesquisando no google, encontrei um artigo de minha autoria que foi publicado no jornal Diário de Cuiabá no ano de 2001. O tempo passa, o tempo voa, e o evolucionismo continua sendo ensinado numa boa!

https://i1.wp.com/www.comciencia.br/200407/img/banner_capa.gif

Criacionismo pela lógica ou evolução pela fé

“Deus não joga dados” (Albert Einstein)

O mundo Científico é bombardeado por inúmeras disputas teóricas. Isto se remonta desde tempos longínquos, porém, passou a adquirir mais êxito e peso com a chegada da filosofia (Amor pela sabedoria) iniciada por Tales de Mileto no século VII a/C. Daí por diante a história registra o nome de grandes filósofos e pensadores que dilapidavam seus intelectos objetivando a criação de obras que pudessem expressar e exprimir a verdade absoluta e irrefutável no âmago de diversas áreas de estudo. Dentre os grandes debates da ciência, podem ser mencionados principalmente aqueles que resultaram nas consideradas “grandes descobertas do homem”: a gravidade, o átomo, a relatividade, o Big Bang, a teoria da seleção natural, a genética, a estrutura do DNA e outras de imenso valor para a civilização.

Uma vez analisado com afinco todo o processo e a história dos cientistas que chegaram a essas descobertas, nota-se na maioria das vezes, que o cientista, considerado uma espécie de homem raro e equilibrado, era motivado por paixões e interesses pessoais que por vezes largavam seus tubos de ensaio e partiam para o boca-a-boca. Desta forma, a Ciência – sentido amplo – estava e está muito longe de ser consenso absoluto como se acredita e se espera, muito pelo contrário, ela pode ser vista por prismas diversos dependendo de quem a observa ou a utiliza; é o ramo de trabalho para o profissional que age com ética na busca pela verdade, o instrumento de ganhar dinheiro para alguns e até mesmo o palco para quem quer somente aparecer na mídia ou ter seu nome estampado nos livros.

Dentre os grandes debates que vêm sendo travados ao longo dos anos. Há um de grande relevância mundial: Evolucionismo versus Criacionismo. Tal contenda caminha décadas após décadas para desvendar o enigma da origem humana, sem no entanto, chegar a harmonia; pois ambas são diametralmente opostas, senão vejamos:

– O Evolucionismo tem como base principal as idéias advindas de Charles Darwin, cuja teoria possui seu nome – Darwinismo. De acordo com esta teoria, as espécies mudam muito pouco durante milhões de anos. Então, de uma hora para outra, sem que exista uma explicação para isto, sofrem uma brusca transformação. Pelo acaso tudo o que existe veio a existir. Daí para cá, o homem, este ser dotado de intelecto e personalidade veio passando por algumas “pequenas melhorias” de ameba do pântano a chimpanzé das selvas. (Não me pergunte como isso aconteceu!!!). Em suma, tal legado postula que somos filhos do caos, frutos do acaso.

– O Criacionismo como o próprio nome diz, defende que tudo o que há embaixo na terra ou em cima nos céus é resultado de uma criação, de um desígnio perfeitamente dotado de propósito, tendo por traz desta criação um Criador, por traz das leis da natureza um sábio Legislador.

Não pretendo abordar neste artigo acerca da disputa entre fé e ciência; quero ater-me somente ao fato de como tais teorias vêm sendo ensinadas em nossas Escolas e Universidades.

É sabido que as teorias são meramente suposições ou hipóteses referentes a determinados assuntos; Darwin sabia disso perfeitamente, pois em seu livro “A Origem das Espécies”, aparecem mais de 800 palavras de suposições com fulcro na sua teoria. Destarte, a forma como tais teorias são repassadas aos alunos, deveriam ser tomadas de forma hipotética, não como verdade absoluta como vem sendo feito por alguns professores que defendem com unhas e dentes o “Evolucionismo”.

Ora, se os conteúdos lecionados em sala de aula devem conter no mínimo um raciocínio lógico/convincente e uma perfeita metodologia científica, como pode tal teoria (Evolução) subsistir a estes parâmetros? Sem falar, que o Criacionismo, nem de longe é ensinado como sendo matéria científica, dizendo-se de caráter religioso. Note-se bem que; o evolucionismo está muito longe de possuir conteúdo científico, é antes de qualquer coisa uma filosofia/cosmovisão naturalista. Existe para justificar o pensamento daqueles que não crêem num Criador Soberano. Necessitam de uma explicação sobre como surgiu o homem. Mais ainda, para acreditar que o homem advém de orangotangos do mato; é necessário mais que razão e argumentação, é mister o uso da fé.

Não sou contra a – Teoria da evolução – propriamente dita, pois a Ciência necessita de teorias, simplesmente não creio nela por não existir uma lógica científica. Sou desfavor a despeito de tomarem a mesma como realidade irrefutável. Pois ao fazerem isto estarão ocultando o Criacionismo; onde os alunos nem sonham com quão fascinantes vistas estão lhes sendo roubadas de seus olhos, e quais perguntas interessantes são essencialmente proibidas de fazerem.

Como pode um país que não ensina aos cidadãos acerca do Criador, mas que, todavia, no preâmbulo da Constituição Federal assevera, que tal lei foi promulgada sob a proteção de Deus? Senhores leitores reflitam nisso (!!!)”

Deixe o seu comentário

8 comentários

  1. Atualmente não muitos jornais que se prestam a publicar textos apologéticos à fé cristã. O Diário de Cuiabá está de parabéns por divulgar um artigo muito bem escrito e relevante para a discussão do tema que continua muito atual. Parabéns.

  2. San,

    De fato. Não são muitos os jornais que publicam artigos sobre o lado – bom – da fé cristã. Precisamos constantemente bombardear os editores dos jornais seculares com nosso artigos e matérias.

    Valeu

    Valmir

  3. A evolução é uma “teoria” que descreve um fato, assim como o heliocentrismo. Temos várias provas de que ela ocorreu; por exemplo:

    a) o petróleo, sobre o qual se fundamenta o nosso mundo moderno, fruto da decomposição dos fósseis de dinossauros ao longo de centenas de milhões de anos;

    b) as inúmeras semelhanças entre os genomas das mais deiversas espécies, como o ser humano, que tem 96% de genes em comum com a mosca drosófila e 98,5% em comum com os chimpanzés, o que denota a ancestralidade comum;

    c) a maioria de nosso genes – mais de 80% – são inativos, pois se tratam de meros resquícios do processo evolutivo, assim como um órgão que todos possuímos chamado apêndice: ele não tem nehuma função, mais chegou até nós herdado de outras espécies das quais somos ancestrais, nas quais ele possuía utilidade;

    d) espécies surgem e desaparecem da Terra continuamente, como o Ebola e o H.I.V., surgidos no séc. XX; mas a observação do surgimento de espécies novas em grupos mais complexos, como os mamíferos, exigiria milhões de anos e observação, e a própria evoluçã só é conhecida há cerca de 150 anos.

    E muito mais… Abraços!

  4. Prezado articulista, prezados comentaristas.
    A ciência busca o conhecimento e seu método é muito distinto do da religião, qualquer que seja ela. Assim, embora exista uma só ciência, há muitas reliões distintas. O darwinismo é fruto da aplicação deste método ao estudo das espécies e as conclusões atingidas em 100 anos de estudos são extremamente consistentes. O creacionismo é uma vertente de fé, provinda de um grupo de religiosos, e não usa os mesmos métodos da ciência, não podendo, portanto, ser considerado como tal. Quem desejar ser creacioista, que o seja pela fé. Está errada a minstra em se posicionar sobre assuntos religiosos como representante do governo brasileiro, pois isto é vetado pela lei que disciplina o assunto. Por outro lado, sem a necessária formação científica, a ministra deve evitar tecer comentários sobre area que não domina.
    Os cientistas, com eu, estão em silêncio porque a minstra tem muito trabalho pela frente, na área de meio ambiente, e é inútl lançar pedras sobre ela no momento.
    Cordialmente,
    Paulo Andrade, D. Sc.
    Laboratório de Genômica
    Departamento de Genética
    Universidade Federal de Pernambuco

  5. eu não acredito no evolucionismo pois daqiu alguns nó vamos estar voando e com super poderes,e isso não é possivel

  6. Caros,
    Essas pessoas nao vao compreender que a ciencia NAO esta discutindo a sua crenca. Os fatos sao apresentados, e porque entram em desacordo com as “verdades” estabelecidas atraves dos dogmas religiosos, sao negados. E nao se pode negar milenios de ciencia com argumentos de origem religiosa. Impor o ensino de criacao biblica em aulas de ciencia, por exemplo, beira o abuso infantil, e esta e minha maior critica. Os genios que defendem o criacionismo cientifico estao na realidade condenando nossos filhos (e os seus proprios, claro!) a ver e entender o mundo da forma ditatorial e autoritaria que resultou em seculos de atraso. E ha mais um detalhe… Nao e por conta da tendencia religiosa que a hipotese criacionista vem sendo rechacada ha seculos nos meios cientificos, mas sim porque carece de qualquer evidencia cientifica comprovavel. Em contra-partida, algumas TEORIAS cientificas sao negadas porque se opoe a dogmas religiosos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s