Conservador, mas não legalista


por Jossy SoaresNão podemos negar que, no esmerado zelo para manter os padrões santos da Igreja frente a ameaça mundana que bate à nossa porta, muitos dos nossos tem aberto as portas ao legalismo e negligenciado a graça. A graça é a manifestação do amor de Deus. É doutrina eterna (1.º Co. 13.13; Tt. 2.11). Este o grande diferencial do Cristianismo das religiões deste mundo.

A luta pela preservação dos marcos antigos tem respaldo bíblico (Dt. 19.14) , mas muitos tem abusado desse respaldo para criar preceitos além da Bíblia. Pior: para supervalorizar a tradição em detrimento da graça.

Sou assembleano desde o berço. Aprendi na infância a diferença básica entre doutrina e costume . Enquanto aquela é eterna e universal, este é temporal e regional. Aprendi também que uma boa doutrina gera um bom costume. Este é o abecedário que tem marcado a característica de nossa gloriosa Igreja ao longo desses 90 anos.

A Doutrina Bíblica é sistêmica. Não é pretextual. Não se pode pegar uma citação bíblica de uma carta paulina e aplicá-la como doutrina, sem estabelecer uma relação de tal citação com toda a Bíblia. Por exemplo, a expiação é uma Doutrina porque, uma vez confrontada ao longo da Bíblia, vamos verificar que ela encontra respaldo com o sacrifício que Deus fez para vestir o homem e a mulher (Gn. 3.21), com o Cordeiro que Deus providenciou para subsitutir Isaque (Gn. 22.8,13), com o Sistema Levítico (Lv. 16) e finalmente com a Cruz de Cristo (Jo. 1.29; Rm. 3.24). Se determinada recomendação não é compatível com Sistema Bíblico, não é doutrina. Poderá ser pretexto ou, no máximo, costume.

A observação sectária de costumes sem a compreensão e aplicação da graça e do amor é inútil. Pasmem! mas tal deslize é consuetudinário em nosso meio. Essa visão equivocada é tão viva entre nós que invertemos a ordem das coisas. Por exemplo, quando falamos da tríplice constituição do homem, ao invés de falarmos espírito, alma e corpo, falamos corpo, alma e espírito. Isto é uma demonstração clara de que valorizamos excessivamente o exterior do copo. A santificação exigida em 1.º Ts. 5.23 começa no espírito e prossegue até o corpo. Isto indica que a obra do Espírito começa realmente no interior e não acontece sempre simultaneamente na alma e no Corpo. A mudança exterior antes da mudança interior é anomalia religiosa, não é santificação.

A obra do Espírito na vida da pessoa que se entrega a Cristo é perene. Temos facilidade de fazer juízo de valor sobre determinado irmão porque ele não se adequa aos nossos estereótipos clericais e não vemos que o Espírito Santo se move em seu interior. Tentamos criar limitações à graça de Deus com prerrogativas não-bíblicas, pois só somos ‘espirituais’ para observar o exterior. Se este estiver de acordo com o que pensamos, tudo bem. Alguém pode dizer que o exterior reflete o interior, mas não essa visão que Jesus teve dos fariseus ao chamá-los de Supulcros caiados (Mt. 23.27). Nem sempre o exterior reflete o interior. Jesus não quer somente o coração, como dizem os liberais. Ele nos quer por inteiros. Mas não adianta nada Ter um exterior “enquadrado” e Ter um interior sem graça e amor.

Legalismo no sentido literal é o apego à letra, das proibições impostas pela norma. Os legalistas acham são salvos, por esforço próprio, porque deixaram de fazer isto, de tocar naquilo de não vestir aquiloutro ou de usar o cabelo dessa ou daquela forma, e assim minimizam a graça. Alguém preceitua que tal comportamento é a diferença entre o justo e o ímpio, mas a Bíblia diverge dizendo claramente que a diferença entre o justo e o ímpio é que enquanto este pratica obras da carne, aquele produz o Fruto do Espírito: amor, gozo, paz, longanimidade, bondade, benignidade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (Gl. 5.22). Este é o verdadeiro sinal do salvo. O legalista é capaz de deprezar alguém simplesmente por não está ‘enquadrado’ em seu sistema, não obstante ter esse alguém as características maravilhosas do Fruto do Espírito. Assim, comprovasse quão mortífero é o caldo do legalismo, como diz Malcolm Smith.

Basicamente as disciplinas legalistas se baseiam no exterior. Você já viu alguém ser discipinado por inimizade? por maledicência? por inveja?, por faccões grupinhos na igreja? Alguém já foi cortado da comunhão porque não ama a seu irmão? Agora tenho certeza que você conhece pelo menos um caso em que uma pessoa foi disciplinada por uma conduta que jamais seria motivo de Jesus discipliná-la. Ah mais isto é Jesus! Mas não é a ele que dizemos imitar?

O legalismo deixa de praticar determinada conduta para obter méritos diante de Deus. O homem espiritual deixa de praticar a mesma conduta para agradar a Deus. O legalista jamais pode ser espiritual, pois no seu íntimo pensa em seus esforços como mecanismo de se chegar a Deus. O homem espiritual reconhece sua fraqueza e inutilidade, sabe que só pode chegar a Deus por causa da Graça. Philip Yancey conceituou bem esse aspecto: “Não há nada que eu possa fazer para Deus me amar mais. Não há nada que eu possa fazer para Deus me amar menos”. Mas o legalista insiste: “eu tenho que pagar o preço”. Como diz o irmão Francisco Daniel, o espiritual prega a “Doutrina” (conteúdo bíblico que produz vida), o legalista prega a “Dotrina”, (preceitos baseados no exterior).

O homem espiritual preocupado com a pressão do mundo à porta da Igreja, resiste contra o mundanismo e resiste na fé, pregando a Palavra e a mudança interior, para que, produzindo o Fruto, o cristão possa dizer não àqueles que querem converter a graça em dissolução. A ação desse homem é pelo Espírito. Este é o conservador.

De pronto rejeito o liberalismo, mas quero dizer que o cristão autêntico é conservador e espiritual. O legalista é apenas conservador, dizima a hortelã, o endro e o cominho, mas esquece a justiça, a misericórdia e a fé (Mt. 23.23). Sejamos conservadores, mas nunca legalistas.

Jossy Soares é advogado, Secretário do Projeto Pés Formosos e membro da AD em Cuiabá-MT.

7 comentários em “Conservador, mas não legalista

Adicione o seu

  1. Eu estava justamente procurando este comentário a repeito da diferença entre o cristão e o ímpio.
    Que Deus vos possa iluminar poderosamente, e sempre que tiver novidades, ou se tem algum estudo escatológico mande para mim.
    At. Israel R. Santos / Curitiba-Pr

  2. paz do senhor pr.silas malafaia : que vc acha de criar circulo de oraçâo também para homens na igeja evangelica assembleia de deus na sua opiniâo sim ou nâo? independetente da sua resposta na assembleia de deus a preconceito a isto no aspecto dos conservadores da igreja sim ou nâo?

  3. IRMÃO: A PAZ DO SENHOR.
    FOI MUITO ESCLARECEDOR, QUE DEUS TE ABENÇÕE MAIS EM SEUS PROJETOS.

  4. Não gostei dos seus comentários. É por isso que as igrejas estão fritas e sem a operação do Espírito Santo. Hoje já não sabemos distinguir quem é ou quem não é, pois a porta é estreita. Mulheres vestidas como homens e homens afeminados desagradam os mais básicos princípios bíblicos. O POVO DE DEUS É UM POVO ESPECIAL , ZELOSO E DE BOAS OBRAS. O evangelho da graça e não de graça.

  5. MEU AMADO GRACAS A DEUS PELO SEU COMENTARIO….

    SO NAO PODEMOS ESQUECER QUE O PRINCIPAL SOBRE ESTE ASSUNTO E TERMOS O ESPIRITO SANTO COMO TERMOMETRO EM NOSSAS VIDAS, PARA QUE SAIBAMOS VIVER NESTE MUNDO TAO MODERNIZADA A VERDADEIRA E SADIA FE CRISTA….

    DEUS TE ABENCOE…

    PR. HELITON SILVA WHASHINGTON DC.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: